Cinema e TV, Ler, Ver e Ouvir

Um toque de infidelidade

aba_cousins

Título Original: Cousins
Título no Brasil: Um toque de infidelidade
Ano de produção: 1989
Gênero: romance
Direção: Joel Schumacher
Elenco: Isabella Rossellini, Ted Danson, Sean Young e William Petersen
Sinopse: A secretária Maria (Isabella Rossellini) é casada com o vendedor de carros Tom (William Petersen). O professor de dança de salão Larry (Ted Danson) é casado com Tish (Sean Young). Os casais se conhecem no casamento do tio de Larry com a mãe de Maria. Na mesma festa Tom e Tish começam a ter um caso e, para se vingar, Maria e Larry resolvem também fingir que tem um romance. Mas a aproximação acaba despertando o amor entre os dois.

Opinião sobre o filme:

Um filme antigo que vale a pena rever, se não pelo enredo, por ter uma bela fotografia e uma trilha sonora fantástica. Mas, o que realmente marcou minha memória, foi uma cena de menos de 20 segundos, aproximadamente aos 27 minutos do filme, em que Larry (Ted Danson), dança um cha-cha-cha com Ms. Greenbaltt (Lorraine Butler). Larry é um homem esbelto e elegante que busca a felicidade e, para tal, troca seqüencialmente de empregos. No momento em que se passa o filme, ele atua ministrando aulas de danças de salão, o que, segundo ele, o permite ser feliz. Como professor, aparece conduzindo uma aula para terceira idade, em um clima agradabilíssimo, construído sobre tons claros característicos do espírito daquele momento. Em determinado ponto, ele interrompe a aula no intuito de mostrar como é o cha-cha-cha e convida para uma demonstração Ms. Greenbaltt, sua ajudante. Com bela postura e elegância, ela dirige-se ao centro da sala e eles dançam brevemente com uma leveza impressionante e, ao final, o professor olha para a dama e se pronuncia: “Você foi maravilhosa! Magnífica! Um toque de beleza”. É uma cena que deve ter passado despercebida pela maioria das pessoas que assistem a esta produção envolvidas em seu enredo. Não é um destes filmes de dança que tanto chamam a atenção trazendo histórias românticas pasteurizadas pelo envolvimento entre os dançarinos, seja entre professor(a) e aluno(a) ou não. É uma cena mais real, característica da maioria das salas de aula de danças de salão para terceira idade que estão espalhadas pelo mundo. Na época em que assisti este filme pela primeira vez, nem havia iniciado minhas aulas de dança de salão, mas o fato é que o vi há mais de 20 anos e esta foi a cena que ficou marcada em minha memória. Talvez alguns possam se perguntar o que será que havia de tão fantástico naqueles 20 segundos. Bem, para a maioria das pessoas deve ser mesmo uma cena banal, mas, para mim, marcou a memória, conservando um frescor único. Uma cena de beleza incrível, quem sabe, por se tratar de uma dama notavelmente fora dos padrões de beleza criados pela sociedade.

Confira o trecho do filme citado no texto, uma aula de dança de salão. Ele está aos 7’17” do primeiro vídeo e continua no início do segundo vídeo.

Postagem AnteriorPróxima Postagem
Autora de livros, artigos científicos publicados em periódicos nacionais e internacionais, textos de divulgação em diversas mídias, colunista de jornais e revistas de diferentes estados brasileiros, licenciada e mestre na área das Ciências Biológicas, palestrante e professora na área da Dança de Salão.

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *