Ler, Ver e Ouvir, Música

Trio Virgulino: os pais do forró universitário

“Parece que a zabumba tem uma magia que, quando toca, vai dando uma vontade de balançar o pé, depois o corpo, e aí vai embora, ninguém segura. Forró quando bate no coração ninguém para mais, é muito bom!”. As palavras são do sanfoneiro Enok Virgulino que, junto com os amigos e conterrâneos de Pernambuco, Roberto Pinheiro na zabumba e Adelmo Nascimento no triângulo, formam o Trio Virgulino. Criado na década de 80, na cidade de Americana, interior de São Paulo, o grupo ganhou o Brasil e o mundo levando o forró para EUA, França, Inglaterra e Espanha. Hoje, com 35 anos de carreira, eles trazem no currículo diversas canções de sucesso nos 10 álbuns lançados e apresentações ao lado de grandes nomes da música nacional como o mestre Dominguinhos, Elba Ramalho, Caetano Veloso e Moraes Moreira, entre outros.

Trio Virgulino: Roberto Pinheiro, Enok Virgulino e Adelmo Nascimento
Trio Virgulino: Roberto Pinheiro, Enok Virgulino e Adelmo Nascimento

Apesar do sucesso tocando um ritmo totalmente ligado as suas raízes nordestinas, se engana quem pensa que o conhecimento musical do grupo é limitado ao forró. “A gente não tem preconceito, tocamos forró, mas pra mim Luiz Gonzaga, Beatles, Lenine, Rita Lee, é tudo música”, conta Enok que chegou a montar uma banda de rock no sertão, ensaiando por alguns meses. O rock, aliás, está entre os gêneros que entram no caldeirão do repertório dos shows do Trio Virgulino, em adaptações com o tempero do forró.

roberto_trio-virgulinoEste ecletismo musical, somado a apresentações sempre em sintonia com o público, foi, certamente, o que fez com que eles conquistassem os estudantes da Unicamp e USP, no início da década 90, lhes garantindo o título de “pais do forró universitário”, um movimento que popularizou o ritmo entre os jovens através de músicas com letras mais focadas na realidade dos universitários do sul do país e passos de dança mais elaborados, como em outros gêneros de dança a dois. “Antes de a gente tocar pros estudantes era muito diferente. O povo achava que tocar com sanfona, zabumba e triângulo era coisa de velho, de matuto. Depois que virou universitário mudou tudo e, hoje, é essa coisa que emociona de ver todo mundo dançando, cantando e curtindo com a gente”, ressalta Roberto, considerado um dos melhores zabumbeiros do Brasil.

enok_trio-virgulinoMúsicos de bandas como Falamansa, Bicho de Pé e Rastapé, estavam entre o público destas apresentações do Trio e foram inspirados por eles. “O jovem se identifica com a gente porque a gente também é jovem. Outro dia vi Geraldo Azevedo contando a seguinte frase que ele disse pro Tim Maia: ‘Acho que a gente não vai ficar velho nunca, porque gostamos é de brincar’. A gente também é assim. Pra mim a música é um trabalho, mas também é uma brincadeira gostosa que você vai fazendo e o público vai absorvendo e devolvendo com um carinho maravilhoso. E a coisa só dá certo quando é assim, ou não seria tão bom”, explica Enok.

Mas além da música o grupo também tem um dançarino de plantão. Quando não está no palco, Adelmo deixa o triângulo de lado e se diverte na pista de dança: “No começo da década de 90 eu ia pro forró e as pessoas queriam dançar comigo, mas eu não sabia. Então fui aprendendo, peguei gosto e, hoje, as pessoas já me esperam pra dançar e eu adoro!”. Enok também ressalta o prazer de dançar forró, lembrando da poesia contida em letras como a da canção “Pintou Paixão”. “Dançar pertinho, sentindo o cheirinho dela e dizendo ‘um raio de sol bateu em minha janela, que bom se fosse ela, a flor do meu jardim’. Não tem cantada mais bonita, ainda mais chamegando no forró. Meu pai dançava com minha mãe quando eram jovens, lá no sertão, na década de 40, e já era bom, tanto é que estou aqui”, brinca o sanfoneiro.

Antes do show, Adelmo curtindo o arrasta-pé no Forró da Lua Cheia, em Curitiba.
Antes do show, Adelmo curtindo o arrasta-pé no Forró da Lua Cheia, em Curitiba.

Fotos: divulgação e Juciane Dubiel/Forró da Lua Cheia

Confira o alto astral do Trio Virgulino nesta apresentação da música Forró da Musa, com participação especial do Falamansa, que faz parte do DVD de 26 anos do grupo.

 

Previous ArticleNext Article
Jornalista formada pela Universidade Tuiuti do Paraná, atuando na área desde 1997 como repórter, redatora e assessora de imprensa. Em 2010, lançou o site Dança em Pauta com a proposta de empregar seu conhecimento em comunicação para divulgar a dança. Trabalhou em publicações segmentadas em Curitiba e São Paulo. Desde 2004, desenvolve trabalho de assessoria de comunicação para profissionais e empresas atuando no planejamento e execução de estratégias de comunicação interna e externa, produção de conteúdo, publicações corporativas e assessoria de imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *