Notícias, Universo da Dança

Que tal um mergulho pra dançar?

Sabe aqueles movimentos que desafiam a gravidade e deixam todos estarrecidos em uma apresentação de dança de salão? E aquela sensualidade característica do tango? Que tal juntar tudo isso a leveza que a água pode proporcionar para uma dança a dois submersa em uma piscina? A ideia foi da fotógrafa russa Katerina Bodrunova na série de fotos “Underwater Tango” (Tango debaixo da água).

Sempre buscando o ineditismo e tendo como característica um trabalho que, em suas palavras, tenta “evitar as regras do planeta Terra”, Katerina contou em entrevista à Dança em Pauta que estava envolvida em uma fase de fotografias embaixo da água quando decidiu combinar a isso sua paixão pelo tango. “Ninguém tinha feito isso antes, então tive o desejo de encarar o desafio de criar algo extraordinário”, relata.

A sessão de fotos, que levou várias horas, foi feita em uma piscina de 6 metros de profundidade e apesar das belas poses, os modelos não são profissionais de dança, nem de mergulho. “Foi realmente incrível porque eles são apenas pessoas muito talentosas. Natalie dança, claro, como qualquer mulher normal (risos), mas seu amigo Efim, não é um dançarino mesmo. Ambos são atléticos e resistentes e, como eu, queriam que a série saísse perfeita. Estou realmente feliz com o resultado”, declara.

E o resultado do trabalho foi realmente lindo e inovador. As fotos, que não sofreram alterações em programas de manipulação de imagens, estão à venda na página da galeria de arte Saatchi, de Londres, por US$ 1.500 cada (cerca de R$ 3.000,00).

Katerina conta que pretende em breve avançar em seu namoro com o tango e já planeja começar as aulas de dança ainda durante este outono russo (que vai de setembro a novembro). “Eu amo a forma como homem e mulher ficam quando estão juntos dançando tango e sempre quis dançar assim”, ressalta.

Outros trabalhos da fotógrafa que já expos em mostras na Europa e EUA podem ser conferidos em seu site 

underwater2underwater1underwater3underwater7

“As pessoas podem ser obras de arte sendo elas mesmas”,

Katerina Bodrunova.

Previous ArticleNext Article
Jornalista formada pela Universidade Tuiuti do Paraná, atuando na área desde 1997 como repórter, redatora e assessora de imprensa. Em 2010, lançou o site Dança em Pauta com a proposta de empregar seu conhecimento em comunicação para divulgar a dança. Trabalhou em publicações segmentadas em Curitiba e São Paulo. Desde 2004, desenvolve trabalho de assessoria de comunicação para profissionais e empresas atuando no planejamento e execução de estratégias de comunicação interna e externa, produção de conteúdo, publicações corporativas e assessoria de imprensa.

1 Comment

  1. Lindíssimo! E vale a pena parar para pensar: “AS PESSOAS PODEM SER OBRAS DE ARTE SENDO ELAS MESMAS”. Parabéns a Katerina e à revista Dança em Pauta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *