Notícias, Universo da Dança

Prix de Lausanne 2018: quatro bailarinos representam o Brasil

aba_prix-de-lausanne-2017

Considerado um dos mais importantes eventos competitivos de balé do mundo, a 46ª edição do Prix de Lausanne, será realizada de 28 de janeiro a 4 de fevereiro de 2018, na Suíça, contando com quatro competidores brasileiros: Isabella Bellotti Fargnolli, do Ballet Adriana Assaf, de São Paulo-SP; Carolyne Galvão, da Escola Itego Basileu França, de Goiânia-GO; Giovanna Pessoa, do Marcia Lago’s Ballet, de São Paulo-SP; e o bailarino Thiago Silva, do Ballet Vórtice, de Uberlândia-MG.

Isabella e Carolyne garantiram sua vaga para a competição em pré-seletiva no Uruguai, que teve 47 bailarinos concorrendo. Já Giovanna e Thiago estão entre os 69 selecionados entre 380 candidatos de 38 países, com idade entre 14 e 19 anos, que enviaram vídeos de suas performances. Os jovens brasileiros fazem parte dos 78 talentos de 15 países que estarão na disputa pela projeção que a vitória nesta competição proporciona, podendo receber bolsas de estudo nas melhores escolas de balé do mundo.

O bailarino Thiago Vínicius no palco do YAGP 2017, em Nova York. | Foto: Taylor Brandt
O bailarino Thiago Vínicius no palco do YAGP 2017, em Nova York. | Foto: Taylor Brandt

Único representante masculino concorrendo pelo Brasil, Thiago, 15 anos, começou a estudar balé com a professora Guiomar Melo há cerca de dois anos no projeto Pé de Moleque, que é realizado na sede do Ballet Vórtice e na ONG Casa do Menor Nova Canaã, ambos em Uberlândia-MG. Atualmente, ele também faz aulas com o professor russo Vladimir Rybyakov, responsável pelo aprimoramento técnico do bailarino. “Não existe milagre no aprendizado desta difícil linguagem que é o balé. É preciso muita dedicação e também muito amor pelo que se faz. É importante chegar naquele ponto aonde a arte transcende o corpo”, ressalta Guiomar sobre o sucesso do jovem aluno.

Em abril deste ano, Thiago participou do Youth America Grand Prix – competição internacional realizada em Nova York – e ficou entre os 16 finalistas da categoria júnior, recebendo uma bolsa de estudos integral para a Academie Princesse Grace Kelly, em Mônaco. Mesmo com esta conquista no início de 2017, ele comenta que a seleção para o Prix de Lausanne foi inesperada: “Eu fiquei surpreso pelo pouco tempo de balé que tenho já conseguir esses bons resultados. Só quero agradecer a Deus, aos meus pais, a Guiomar e a Aninha, diretora da ONG Nova Canaã. Estou muito feliz com essa conquista”.

Sobre o Prix de Lausanne
Criado em 1973, é uma competição internacional anual para jovens dançarinos entre 14 e 19 anos. Sua meta é descobrir, promover e dar suporte aos talentos da dança. A competição tem o apoio de 68 das mais prestigiadas escolas e cias de dança do mundo como Royal Ballet, de Londres; Vaganova Ballet Academy, da Rússia; San Francisco Ballet School, dos EUA; e Australian Ballet, da Austrália, entre outros. O evento é uma fonte para os “olheiros” em busca de novos talentos na dança.

Postagem AnteriorPróxima Postagem
Jornalista formada pela Universidade Tuiuti do Paraná, atuando na área desde 1997 como repórter, redatora e assessora de imprensa. Em 2010, lançou o site Dança em Pauta com a proposta de empregar seu conhecimento em comunicação para divulgar a dança. Trabalhou em publicações segmentadas em Curitiba e São Paulo. Desde 2004, desenvolve trabalho de assessoria de comunicação para profissionais e empresas atuando no planejamento e execução de estratégias de comunicação interna e externa, produção de conteúdo, publicações corporativas e assessoria de imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *