Espetáculos/Shows, Notícias

Grupo Corpo abre 27º Festival de Curitiba com interpretação dos ritmos da umbanda

aba_gira_grupo-corpo2

Na noite de 27/03, no Teatro Guaíra, o Grupo Corpo abre o Festival de Curitiba 2018 com o espetáculo que é considerado uma de suas obras primas, Gira. A atração, apresentada pela primeira vez em Curitiba, ocorre após a cerimônia de abertura para convidados. A companhia de dança mineira ainda se apresenta nos dias 28 e 29/03 com o programa duplo aberto ao público ‘Dança Sinfônica + Gira’.

Segundo os curadores da Mostra 2018, Guilherme Weber e Márcio Abreu, responsáveis por convidar os espetáculos participantes, ‘Gira’ traz “os corpos carne e os corpos espírito dos bailarinos em uma celebração da identidade nacional através da leitura de Pederneiras e do grupo ‘Metá Metá’ para ritos religiosos que recriaram no Brasil uma África simbólica e sua memória de origens fundantes”.

Dança Sinfônica, por sua vez, “é uma viagem memorialística pelos quarenta anos da Companhia mineira com os bailarinos presentificando em seus corpos um vocabulário construído através de diferentes peças, em uma vitória da arte contra o tempo”, na opinião dos dois curadores.

espetaculo-gira_grupo-corpoSobre o espetáculo Gira

Os ritos da umbanda – a mais cultuada das religiões nascidas no Brasil, resultado da fusão do candomblé com o catolicismo e o kardecismo – são a grande fonte de inspiração da estética cênica de ‘Gira’. Exu, o mais humano dos orixás – sem o qual, nas religiões de matriz africana, o culto simplesmente não funciona – é o motivo poético que guia os onze temas musicais criados pelo trio paulista Metá Metá para ‘Gira’. Mergulhar no universo das religiões afro-brasileiras para se alinhar ao tema proposto pelo Metá Metá foram as primeiras providências dos criadores do Grupo Corpo. Alimentado pela experiência em ritos de celebração tanto do candomblé quanto da umbanda – em especial as giras de Exu -, Rodrigo Pederneiras reconstrói o poderoso glossário de gestos e movimentos a que teve acesso. Nos figurinos, Freusa Zechmeister adota a mesma linguagem para todo o elenco, independente do gênero: torso nu, com a outra metade do corpo coberta por saias brancas de corte primitivo e tecido cru.

Sobre o espetáculo Dança Sinfônica

grupo-corpo_bastidores
Criada para a celebração dos 40 anos de atividade do Grupo Corpo, em 2015, ‘Dança Sinfônica’ se estrutura a partir da reconstrução de memórias da companhia. Marco Antônio Guimarães – autor de trilhas como 21 (1992) e Bach (1996) – funde em uma só trama peças inéditas e passagens musicais que evocam balés que marcaram a história recente da companhia. O conjunto de temas, escrito pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e interligado por pontes musicais executadas pelo grupo Uakti, permite a Rodrigo Pederneiras revisitar o vocabulário que havia deixado para trás e sintetizar a escritura coreográfica de 34 anos de residência na companhia. Garimpados nos acervos particulares de profissionais que colaboraram ou exerceram algum tipo de influência na trajetória do Grupo Corpo ao longo desses 40 anos – de bailarinos e maîtres de ballet, a técnicos e camareiros –, mais de mil flagrantes fotográficos informais compõem o painel cenográfico, de oito por 16 metros do espetáculo.


O que: espetáculo Dança Sinfônica + Gira – Grupo Corpo | abertura do Festival de Curitiba
Quando: 28 e 29/03, às 21h
Onde: Teatro Guaíra – Auditório Bento Munhoz da Rocha Netto (Guairão)
Rua Conselheiro Laurindo, s/nº Centro | Curitiba-PR
Quanto: R$ 70,00
Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br

Postagem AnteriorPróxima Postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *