Dança & Ciência, Em pauta

Dança de Salão no fortalecimento cardiovascular

aba_danca-cardio-hcor

A dança de salão pode ser tão positiva contra a hipertensão como as caminhadas ou outros exercícios aeróbicos para os idosos. Na busca por uma forma natural de baixar a pressão arterial, que afeta 40% dos adultos brasileiros, pesquisadores comprovaram que a dança eleva o batimento cardíaco até a desejada “zona alvo de frequência cardíaca a ser atingida no programa de exercício”, o que desencadeia os desejáveis efeitos cardiovasculares.

De acordo com o cardiologista e clínico geral do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo, Dr. Abrão Cury, um paciente que dance por meia hora tem o mesmo efeito benéfico que conseguiria exercitando-se pelo mesmo tempo na esteira ou bicicleta. E não há dúvidas de que é mais prazeroso e confortável dançar do que se exercitar numa esteira. Essa lúdica modalidade de atividade física foi valorizada por vários estudos de prevenção cardiovascular e geriátrica, até nos indivíduos com mais de 80 anos.

“O exercício físico como recurso terapêutico de primeira linha para portadores de doenças cardiovasculares, pulmonares e metabólicas é consensual e mostra que, com três aulas de dança por semana, a pressão arterial pode diminuir, atingindo um valor melhor. Desta forma, pode haver redução do uso de fármacos, isto é, os pacientes podem tomar menos anti-hipertensivos”, esclarece o Dr. Cury.

Nos programas de reabilitação têm sido adotados ritmos variados, como forró, bolero, samba, merengue, valsa, rock e salsa, e a indicação é evitar as interrupções, para que os pacientes fiquem na zona alvo do treinamento o maior tempo possível, ou seja, mantenham o coração acelerado.

Segundo o cardiologista do HCor, a grande vantagem da dança de salão aos idosos é seu aspecto lúdico e prazeroso, que facilita a interação social. “Os pacientes que se recusam a fazer exercícios ou acham cansativo caminhar 30 minutos por dia, se dão muito bem nas aulas de dança de salão”, explica. De acordo com o cardiologista, os jovens também se beneficiam, mas para os praticantes da terceira idade os benefícios para a saúde ficam evidentes, pois uma dança de salão protege e fortalece o esqueleto e músculos, além de diminuir a osteoporose, os deixando em condições para um dia a dia sem cansaço físico.

“Ao dançar três vezes por semana podemos concluir que este ritmo de treinamento, após 12 semanas, trará enormes benefícios para a saúde e longevidade, pois há uma melhora no controle da pressão arterial; diabete; gordura sanguínea, como triglicérides; e um evidente aumento do colesterol bom, o HDL”, finaliza o Dr. Cury.

Postagem AnteriorPróxima Postagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *