Colunas, Dança & Comportamento, Danças de Salão

A natureza artística da dança de salão

Neste capítulo de nossa coluna, nos propomos a discutir brevemente a natureza artística da dança de salão, como produto comportamental da espécie humana. A proposta é tão somente despertar a atenção sobre o tema e abrir uma discussão que pode não ter um fim imediato.

Embora perceba-se uma forte tendência atual a compreender a dança de salão como Arte por parte de nomes respeitáveis na área, ainda há terreno para a compreensão de sua natureza recreativa. Entretanto, até declarações já clássicas na literatura, como de Duncan: “ver a dança apenas como uma diversão agradável e frívola é degradá-la”, enfraquecem a sustentação de uma classificação como mera recreação.

Conforme uma diversidade razoável de autores, a recreação pode ser relacionada ao entretenimento, passatempo, de participação voluntária e obtenção imediata e contínua de satisfação. Já a palavra “arte”, é de difícil definição. Na literatura há variação desde o conceito relacionado a expressão estética de sensações e idéias, passando por atividade criadora que se expressa de forma estética, até sua associação ao supérfluo, ao inútil. Etimologicamente, o termo é derivado de ars, artis do latim. Ars – conjunto de regras e preceitos para dizer ou fazer bem qualquer coisa – denota ofício, profissão, implica em habilidade, no sentido de ser capaz de fazer algo. Em sentido lato, “técnica” e “arte” se identificam. O vocábulo “técnica” provém do grego techné, que tem o mesmo significado de ars do latim. Tehcne, designa uma técnica, habilidade espontânea ou adquirida através do ensino, como também, resultado de uma criação genial ou metódica. De qualquer forma que venhamos a abordar os conceitos de recreação e de arte, podemos perceber que são essencialmente diferentes.

Para os autores mais respeitáveis na área evolutiva, por um olhar histórico, a dança de salão poderia facilmente ser configurada como um conjunto bem estruturado de memes (unidades replicáveis de conhecimento). Como conhecimento replicável, graças aos comportamentos comunicativos, é resultado de um processo que prescindiu incontáveis gerações, permeadas e desenhadas continuamente até os dias atuais. Enquanto nossos antepassados transpuseram nossa própria barreira biológica, tornando-nos Homo sapiens, suas marcas fizeram uma diferença nunca vista na história da vida até então. Houve uma mudança estrutural que se alinhavou nas cavernas, onde as primeiras pinturas rupestres foram esboçadas, onde estalagtites e estalagmites eram voluptuosamente estimuladas a gerar conjuntos harmônicos de sons, criando o cenário da concepção da dança, o que torna mais difícil ainda dissociá-la do campo da Arte.

Esta marca indelével do Homo sapiens registrava um degrau nunca tentado pelo DNA. Em um novo contexto de um mundo onde a mente superou a força bruta, passou a ser, de alguma forma, um recurso requintado de sobrevivência, galgando preferências nas escolhas de parceiros reprodutivos. A comunicação, a linguagem e o processo ensino-aprendizagem permitiram a replicação deste conhecimento adquirido/produzido.

Seja conforme a literatura atual ou seus fundamentos históricos, a dança de salão hoje, quiçá na adolescência de uma longevidade inimaginável, mantém-se como recurso comportamental sofisticado. Merece o espaço da parcela cultural que representa e das possibilidades de contribuição interdisciplinar que oferece.

Delícia por si só, a dança de salão é resultado de uma esmerada caminhada, que se aprimora sistematicamente enquanto entretém os mais contrastantes públicos, conquistando gradativa e igualitariamente tanto o status de Arte quanto o de Saber.

FALE COM NOSSOS COLUNISTAS
Além de comentários sobre este artigo, dúvidas e/ou sugestões de temas para esta coluna podem ser deixadas no espaço abaixo.

 

Previous ArticleNext Article
Autora de livros, artigos científicos publicados em periódicos nacionais e internacionais, textos de divulgação em diversas mídias, colunista de jornais e revistas de diferentes estados brasileiros, licenciada e mestre na área das Ciências Biológicas, palestrante e professora na área da Dança de Salão.

0 Comments

  1. Estou fazendo uma pesquisa séria sobre a dança de salão artística, pesquisando achei essa página e é muito bom ver que tem um texto maravilhoso como esse sobre dança de salão…porém as fontes de pesquisa são muito escassas, se possível gostaria de saber a fonte bibliográfica e qualquer informação que possa ajudar..desde já agradeço… sarielice@yahoo.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *